segunda-feira, 23 de novembro de 2015

Resíduos Sólidos: Prefeitura de Barcarena disponibiliza por 10 dias o plano municipal, para análise popular e possível alteração.


Audiência Pública 18/11/2015

O Plano Municipal de Gestão de Resíduos Sólidos elaborado pela sociedade civil organizada com participação da gestão municipal está disponível para conhecimento público no site: http://www.barcarena.pa.gov.br/index.php/pmgirs.html

Durante dez dias, após a data de publicação, o documento ficará disponível para alterações e só depois será enviado para conhecimento e posterior aprovação da Câmara Municipal.


Leia, interprete e faça sugestões enviando para o e-mail abaixo mencionado!


A sugestão de alteração, ou comentários, pela população Barcarenense, no  Plano Municipal de Gestão de Resíduos Sólidos podem ser enviados para o E-mail: pmgirs@barcarena.pa.gov.br

O PMGRIS (Plano Municipal de Gestão de Resíduos Sólidos),  é um importante instrumento de planejamento para melhoria na qualidade de vida.


Participe enviando sua sugestão!






Fonte: Ascom/PMB.




Barcarena: Empresas envolvidas na ‘tragédia’ no porto da CDP apresentam seus planos e cronogramas de trabalhos à Justiça.


Acesseolink,file:///C:/Users/ASCOM/Downloads/documento20150443457531%20(1).pdf, e tenha acesso as 19 páginas da decisão do Juiz Criminal Dr. Deomar Alexandre de Pinho Barroso, bem como, os Planos de Salvatagem e Cronogramas apresentados pelas empresas para a retirada das carcaças dos animais mortos e sua destinação, e a retirada do navio afundado e do óleo combustível.











Fonte: TJ/PA 

Processo nº 0098844-72.2015.814.008






O imediatismo criado pela Black Friday pode ferir seu bolso


Por: *Samy Dana.



Com a proximidade das festas de fim de ano, o comércio se prepara para um evento que tem pouco tempo no Brasil, mas já ganhou notoriedade, sobretudo nas propagandas: a Black Friday, marcada para acontecer no dia 27 de novembro. Anunciado como uma oportunidade de fazer compras com descontos em um intervalo relâmpago, o evento deve ser encarado com muito senso crítico, especialmente considerando o agravamento da crise econômica. 
A primeira reflexão que precisa ser feita a respeito da data, diz respeito ao efeito de imediatismo que é criado. Quando um evento é amplamente divulgado atentando para um boom de ofertas por marcas de segmentos variados, o primeiro impacto é a geração de expectativa nas pessoas. Isso é praticamente um gatilho para o consumo irracional. É como se uma sirene vermelha fosse ligada em sua mente e um letreiro disparasse: "só tenho 24 horas para aproveitar essas oportunidades incríveis”. 
É justamente neste ponto que você torna-se um alvo fácil para ciladas. Até que ponto você está realmente diante de uma oportunidade? Essas ofertas são mesmo vantajosas? Você precisa, de fato, produto que está querendo comprar? 
Com o carrinho (ainda que virtual) cheio de produtos e a ideia equivocada de que está aproveitando uma chance imperdível, você corre o risco de levar para casa produtos com promoções que não passam de “tudo metade do dobro do preço". Na edição de 2014, o hotsite criado pelo Reclame Aqui, em função do evento, registrou cerca de 1,3 milhão de acessos. Ao todo, foram 12 mil reclamações formais. As queixas mais frequentes eram relacionadas a preços maquiados, dificuldade de acesso aos sites, mudança nos valores na hora de finalizar a compra e recusa de cupons de desconto - em muitos casos a Black Friday virou Black Fraude.
Sendo assim, ainda que você queira aproveitar a data para pesquisar preços de produtos que pretende comprar para o Natal, por exemplo, faça isso com muito  cuidado para não cair em ciladas de consumo. Na euforia do imediatismo, as pessoas se esquecem que existem outras oportunidades que podem ser muito mais interessantes em termos de redução de custos, como os saldões de janeiro. 
É preciso levar em consideração que estamos em um ano de crise, em que o comércio tem sofrido forte impacto nas vendas. Devido às baixas expectativas de faturamento, as contratações temporárias foram reduzidas. Estoques estão altos e certamente a Back Friday não será a única oportunidade que o setor fará ara desovar mercadorias. 
Não se deixe levar pela ilusão, essa não é  sua única chance de fazer uma boa compra. Não seja precipitado em achar que não vai encontrar ofertas no comércio depois do evento e pesquise os preços dos produtos antes do anúncio das ofertas. O mais importante é ter em mente que, no atual contexto, o comércio precisa mais de você do que o contrário. 

*Samy Dana, é doutor em economia e especialista em finanças.


Fonte: G1

Senado: Comissão discute medidas para prevenir violência contra mulher

A Comissão Mista de Combate à Violência contra a Mulher vai debater nesta terça-feira (24) o uso de medidas protetivas como botão do pânico, tornozeleira eletrônica e casas-abrigo para reduzir os altos índices de violência contra a mulher. Para participar da discussão, estarão presentes a secretária especial de Políticas para as Mulheres da Presidência da República, Eleonora Menicucci, e o prefeito de Vitória (ES), Luciano Rezende.
O Espírito Santo lidera o ranking dos estados com maiores índices de violência contra a mulher. Desde 2013, entretanto, mulheres da capital do estado que se sentem ameaçadas por ex-maridos, namorados ou companheiros contam com o Botão do Pânico, dispositivo que faz parte de um projeto piloto lançado pelo Tribunal de Justiça do Espírito Santo (TJES) em parceria com a Prefeitura de Vitória. A criação e implantação do Botão do Pânico na cidade levou o TJES a conquistar o 10º Prêmio Innovare 2013, na categoria Tribunal. O prêmio é um dos mais respeitados da Justiça brasileira.
A deputada Carmen Zanotto (PPS-SC), autora do requerimento para a audiência pública, destaca a importância de outros dispositivos que também estão dando resultados, como a tornozeleira eletrônica e as casas-abrigo.
Pesquisa do DataSenado sobre violência contra a mulher constatou que, por todo o país, 99% das mulheres já ouviram falar na Lei Maria da Penha, criada para coibir a violência doméstica e familiar. Apesar disso, segundo projeção feita a partir da pesquisa, mais de 13,5 milhões de mulheres já sofreram algum tipo de agressão. Dessas, 31% ainda convivem com o agressor. E o dado mais alarmante: entre as que convivem com o agressor, 14% ainda sofrem algum tipo de violência.
Também participarão da audiência pública a juíza do TJES Hermínia Azoury; a delegada-chefe da Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher do Distrito Federal, Ana Cristina Melo Santiago; a juíza Maria Domitila Prado Manssur Domingos, de São Paulo; e o representante do Instituto Nacional de Tecnologia Preventiva (INTP), Mateus de Aguilar Pereira.
A audiência da Comissão Mista de Combate à Violência contra a Mulher está marcada para às 14h, na sala 9 da Ala Alexandre Costa. Após o debate, a comissão vai apreciar requerimento da senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) para a realização do seminário “Mulheres, violência e mídias sociais”, previsto para o início de dezembro.

COMO ACOMPANHAR E PARTICIPAR

Participe: 
http://bit.ly/audienciainterativa
Portal e-Cidadania:
www.senado.gov.br/ecidadania
Alô Senado (0800-612211)