quinta-feira, 4 de dezembro de 2014

Chacina que matou 10 em Belém, "já está desvendada", diz Jornalista em seu facebook...

Facebook do Jornalista Carlos Mendes
"Exclusivo - CHACINA QUE ABALOU BELÉM JÁ ESTÁ DESVENDADA", foi assim que iniciou sua matéria jornalística (furo), o experiente e respeitado jornalista que escreve para grandes jornais Carlos Mendes. Ele refere-se a chacina que ocorreu desde a morte do "Cb.Pet" da PM em belém, seguida de outras, em "efeito dominó" em belém, e revela em sua matéria investigativa: "...Militares e empresários, formando uma cadeia sinistra de justiceiros sociais, foram os executores e financiadores das mortes..."


Posto aqui na íntegra, o que escreveu o Jornalista, em sua página de Facebook, nesta noite de quinta-feira 04/12/14.



"Exclusivo

CHACINA QUE ABALOU BELÉM JÁ ESTÁ DESVENDADA

Os autores da matança de 10 pessoas, poucas horas depois da morte do cabo Pet, da Rotam, na madrugada do dia 5 de novembro passado, em vários bairros de Belém, já estão identificados. Militares e empresários, formando uma cadeia sinistra de justiceiros sociais, foram os executores e financiadores das mortes. Dois inquéritos estão em andamento: um é civil, conduzido por seis delegados, e o outro militar, sob o comando de um promotor.

O caso corre sob segredo de justiça, primeiro porque os investigados são pessoas extremamente violentas, com histórico desabonador em suas condutas profissionais, e poderiam dificultar a parte final dos inquéritos se tiverem os nomes divulgados. Outro motivo é a proteção no sigilo das informações para que os responsáveis pelas investigações possam trabalhar com tranquilidade.

Morte de Cab. Pet, o inicio de tudo.
De tudo o que já foi apurado, pode-se dizer que 90% dos trabalhos já estão concluídos. Os outros 10% são pequenos detalhes, mas importantes para a complementação do que já foi investigado, para fechar o caso. O prazo de 30 dias para que a investigação seja concluída, de acordo com a lei, será prorrogado por mais 10 dias. Ele acabou hoje, o que significa dizer que, a partir do dia 15, incluindo a prorrogação, tudo será revelado, porque não haveria mais razão na manutenção do segredo de justiça, válido apenas para a fase apuratória.

Os serviços de inteligência, tanto da Polícia Civil quanto da Polícia Militar, conseguiram não apenas indícios, mas provas consistentes, sobre a participação dos investigados nos crimes. No dia em que seus nomes forem divulgados, durante coletiva à imprensa, todos já estarão na cadeia, com suas prisões decretadas por ordem judicial, segundo uma fonte.

Já tenho alguns nomes, mas não posso revelá-los, para não prejudicar o trabalho de apuração que está sendo concluído, não apenas por delegados e promotores, mas também pela Corregedoria da PM.


O jornalismo investigativo é diferente do jornalismo factual, porque pautado pelo rigor da prudência na apuração - que nada tem a ver com medo -, checagem e filtragem de informações, inteligência e intuição. Os verdadeiros alicerces da credibilidade profissional."


(Carlos Mendes)




Facebook/Fonte: AQUI.




Vamos aguardar o desfecho, para saber se o Jornalista acertou!!!



Cantor "O Anormal do Brega", participa de filme brasileiro e convoca paraenses...


FILME “BREGA BRASIL” E A PARTICIPAÇÃO DO CANTOR PARAENSE RUBENS MOTA, “O ANORMAL DO BREGA.”

O conhecido artista paraense Rubens Mota “O Anormal do Brega”, o Advogado/Cantor, realiza mais um de seus sonhos, fará parte de um filme brasileiro, que falará de nosso “Brega”, e convoca a população para lotarem nesta sexta-feira 05/12, a casa de Show: Açaí Biruta. ( Travessa Félix Roque, 356 Cidade Velha, Belém – PA), a partir das 23:00h. Onde o show fará parte do Filme.


Leia o convite do próprio Rubens Mota:


Tornando um sonho em realidade, há cerca de três  anos, o cantor, professor, Rubens Mota cognominado (O Anormal do Brega) foi contactado pelo cineasta carioca e atualmente residindo em Brasília ,Distrito Federal ,sob a possibilidade de acenar num Longa Metragem a ser rodado em vários estados do território Brasileiro.

Assim, desde o ano de 2011, o nosso precursor  vem desenvolvendo a expansão da música paraense pelo Brasil a fora. Deu sinal verde de aceitação e ficou na expectativa desta proposta se tornar realidade.


Ronaldo Duque, cineasta conhecido no mundo inteiro já exerceu também suas atividades jornalísticas na empresa ORM. No Cinema dirigiu o filme Araguaya (A conspiração do silencio), onde o tema maior, naturalmente se resumia nas famosas guerrilhas.

O Longa Metragem de carácter nacional a ser dirigido pelo cineasta Ronaldo Duque vai receber o nome de “BREGA BRASIL - FOI TUDO CULPA DO AMOR.” com o enredo ligado à cultura musical paraense, ou seja o estilo brega, contando a historia de um moço rico orgulhoso, vaidoso, que não curtia por preço algum o nosso brega, com tudo quando o mesmo numa noite linda de verão ao conhecer uma bela morena paraense apaixonou-se e dessa forma ao ser atingido pelo cupido, invadindo sua alma e o coração, o homem orgulhoso mudou sua atitude e convencido pela donzela, não resistiu, e na companhia da mesma foi a casa de show: “BREGA BRASIL”, dançando maravilhosamente nos braços da amada e aquela festança era animada pelo Anormal Do Brega.

O Longa Metragem: Brega Brasil está sendo filmado nos estados de São Paulo com cantor Falcão, no Paraguai com a cantora Perla, no Nordeste do Brasil com a participação do cantor Bartô Galeno, e no Pará, com a participação exclusiva com o ícone da nossa música paraense, o rei do brega Rubens Mota, que nesta sexta-feira, dia 05/12/2014 , na casa de show : Açaí Biruta. (Travessa Félix Roque, 356 - Cidade Velha, Belém – PA), a partir das 23:00h, fará o show de filmagem do Longa Metragem, cantando os maiores sucessos de sua carreira, como: O Anormal Do Brega, o anjo do brega, o pagão , o Kid Gostosão , viagra do Pará, Sex man e outros.

Assim, estamos convidando os nosso fãs, amigos, e todos os paraenses para abrilhantarem esta noitada inesquecível e serem filmados, fazendo parte do nosso filme.



Obrigado pela presença de todos;"




(Rubens Mota – O Anormal do Brega)




Belém: Evento conscientiza contra violência doméstica




Cerca de 50 homens que respondem a processos por violência doméstica participarão de uma atividade com exposição de temas ligados à área jurídica e debates sobre a “Violência doméstica e suas implicações na dissolução da sociedade familiar”. O evento ocorre nesta quinta-feira (4), das 14 às 17 horas, no auditório da sede da Defensoria Pública do Estado, em Belém.
O objetivo da ação é proporcionar orientações sobre a Lei Maria da Penha, dando enfoque para as medidas protetivas, além de dar cumprimento à carga horária de participação de homens envolvidos em situações de violência doméstica, em programas de educação e reabilitação de apenados.
A programação também pretende apresentar e debater a temática da família diante do rompimento da relação, abordando assim questões referentes à dissolução de união estável, divórcio, partilha de bens, guarda, direito de visita e alimentos.
Segundo dados da Defensoria Pública, pelo menos um terço da população mundial de mulheres sofre algum tipo de violência, seja psicológica, moral, física, sexual ou patrimonial e, a cada 15 segundos, uma mulher é agredida.

Fonte: DOL

Biblioteca do TJ/Pa, aberta ao público.


A Divisão de Bibliotecas do TJEPA é composta pela biblioteca "Desembargador Antônio Koury" localizada no Tribunal-Sede.

Especializada em Direito, subordinam-se ao Departamento de Documentação e Informação - DDI, que integra a Secretaria de Administração deste Tribunal.

O acervo da biblioteca é composto por livros, periódicos (impressos e eletrônicos), diários oficiais, CD's e jornais.





O acesso é aberto ao público externo para consulta "in loco" e estudo. O empréstimo domiciliar é restrito aos Magistrados e Servidores nos termos do regulamento.

A Biblioteca do Judiciário do Pará, remonta aos tempos do TRIBUNAL DA RELAÇÃO DE BELÉM, instalado em 3 de fevereiro de 1874, funcionava com escasso acervo, no prédio do Tribunal da Relação, situado na rua dos Mercadores, nº 30, atualmente Conselheiro João Alfredo, no centro comercial de Belém.

Abrigava a Coleção de "Leis e Decretos do Governo" datado de 1821 e outras obras relevantes que permanecem no acervo da Biblioteca.

Com a inauguração do prédio do PALÁCIO DA JUSTIÇA, em 18 de dezembro de 1970, a Biblioteca foi instalada e obteve no ano seguinte sua primeira organização técnica, recebendo a denominação de "BIBLIOTECA DESEMBARGADOR ANTÔNIO KOURY" como homenagem póstuma. Funciona atualmente no andar térreo do Fórum Cível da Capital.

Em 2006 com a mudança do Tribunal de Justiça para o prédio histórico do "Instituto Lauro Sodré", surgiu a necessidade da criação de uma nova biblioteca, com o objetivo de disseminar a informação jurídica de interesse à atividade judicante e à sociedade. A mais nova biblioteca do judiciário paraense, abriga a rica coleção "Otavio Mendonça" com vasto material em sociologia jurídica, história, filosofia e direito.


Fonte: TJ/PA.


Delegado da PF pode repassar informações de operação à imprensa, julga TRF-4

Agentes policiais podem divulgar informações relacionadas a procedimentos criminais com relevante interesse público e que não estejam sob sigilo. Com esse entendimento, a 4ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região negou pedido de indenização apresentado por um empresário de Santa Catarina, preso em operação da Polícia Federal em julho de 2006.
Depois de ser absolvido da acusação de lavagem de dinheiro, o empresário alegou à Justiça que ficou prejudicado profissionalmente pela exposição do seu nome na imprensa, associado como membro de uma quadrilha de tráfico de drogas. Segundo ele, o delegado responsável pela chamada operação zapata estimulou a cobertura da imprensa sobre o cumprimento dos mandados de prisão.
A decisão de primeira instância havia fixado pagamento de R$ 50 mil por danos morais, mas o TRF-4 derrubou a sentença, por unanimidade. A Advocacia-Geral da União argumentaram que não houve abuso, pois o delegado não violou nenhum dado sigiloso e cumpriu o dever de informar.
“A informação dada pela polícia tratava questão de relevante interesse público, qual seja, o tráfico internacional de drogas, lavagem de dinheiro, fraudes contra o sistema financeiro e sonegação fiscal. Por outro lado, não se tem qualquer prova nos autos de que se tratasse de informação inverídica ou sigilosa", avaliou o relator, o desembargador federal Luís Alberto D'Azevedo Aurvalle.“O procedimento adotado pela PF decorreu do exercício regular do poder de polícia”, afirmou. 

Com informações da Assessoria de Imprensa da AGU.
Clique aqui para ler o acórdão.
5002066-37.2011.404.7208

Fonte: CONJUR

Nosso blog, está de volta!!!