segunda-feira, 16 de junho de 2014

Delegacia de Barcarena/Sede: Fecha as portas 18h, e reabre as 08h da Manhã. Final de Semana, nem abre!!!


A população de Barcarena/Sede, quer saber de quem partiu a ordem para fecharem as portas da delegacia da Polícia Civil durante a semana após as 18h, e total aos finais de semana.





Corredor da Recepção da Depol Barcarena/Sede.
Uma nova determinação, não sabemos vinda de quem, determinou que o cidadão de Barcarena/Sede, que necessite dos serviços da Polícia Civil após as 18h, ou durante o dia todo nos finais de semana "bata com a cara na porta" na sala do delegado, pois ficam impossibilitados de registrarem um B.O, ou realizar um pedido de socorro. 

Com isso, o cidadão que precisar de tais serviços da polícia civil terá que se dirigir até a delegacia da policia civil de vila dos cabanos, cerca de 25Km distante de barcarena/sede. Quem tem seu carro particular vai nele, quem não tem aciona um tax ( R$ 35,00 ) ou mototáxi ( R$ 15,00 )  , já que os serviços de vans não existem durante a noite.

Outro problemão detectado é que policiais militares ao terem um flagrante em mãos, também precisam se dirigir a depol da vila dos cabanos para apresentarem o preso a autoridade que estiver de plantão, isto se tiver.

Porta do Delegado/Ocorrência Fechada

Na noite desta segunda-feira 16/06/14, por exemplo, a PM estava com um flagrante de Maria da Penha, como foi após as 18h, fechado a depol de barcarena/sede, se dirigiram até a depol da vila, lá chegando não tinha escrivão. Somente após uma ligação para o delegado de vila dos cabanos, que um escrivão "caiu do céu"




Uma Fonte me informou que o "ajuste" na escala de serviço dos servidores da polícia civil, é resultado de uma ação do ministério público do trabalho, que detectou funcionários da civil, trabalhando além da carga horária.

RESULTADO: QUEM PAGA "O PATO DO CÍRIO", SEMPRE É O POVÃO.


O Problema vai aumentar.


Alô alô Delegado Geral!!!!

Alô alô meu amigo Secretário de Segurança Pública Dr. Luiz Fernandes!!!!

Visitem Barcarena, e sintam na pele, o problema, devido esta determinação de "fechar o restaurante para o almoço"



As fotos foram tiradas na noite desta segunda-feira 16/06/14.

Direito: Mais um semestre se vai... somos eternos aprendizes.


Adeus segundo semestre de Direito... 



      ...que venha o terceiro, queremos possui-lo!!!


No "retrato", a turma ao lado da Delegada e Professora de Direito Penal-I, Mara Santos e do Professor Antônio Serafim de Sociologia Jurídica e Judiciária. 

(16/06/2014)

Pesquisa mostra que homens são maioria na magistratura brasileira


A magistratura brasileira é composta majoritariamente por homens. Segundo os números preliminares do Censo dos Magistrados, realizado pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) no final do ano passado, 64% dos magistrados são do sexo masculino. Eles chegam a representar 82% dos ministros dos tribunais superiores. Os dados foram divulgados nesta segunda-feira (16/6), no Plenário do CNJ, durante a 191ª Sessão Ordinária do Conselho.

Realizado pelo Departamento de Pesquisas Judiciárias (DPJ/CNJ) entre 4 de novembro e 20 de dezembro de 2013, o levantamento também aponta que a maioria da magistratura é casada ou está em união estável (80%) e tem filhos (76%). A idade média de juízes, desembargadores e ministros é de 45 anos. Na Justiça Federal estão os juízes mais jovens, com 42 anos, em média. Em geral, a carreira dos magistrados começa aos 31,6 anos de idade, enquanto a das magistradas começa aos 30,7 anos.
 
Em relação à composição étnico-racial da carreira, juízes, desembargadores e ministros declararam ser brancos em 84,5% dos casos. Apenas 14% se consideram pardos, 1,4%, pretos e 0,1%, indígenas. Segundo o censo, há apenas 91 deficientes no universo da magistratura, estimado em pouco mais de 17 mil pessoas, segundo o anuário estatístico do CNJ Justiça em Números, elaborado com base no ano de 2012.


A jornada de trabalho diária dos juízes é, em média, de 9 horas e 18 minutos. Os juízes em início de carreira (substitutos) têm a maior carga horária de trabalho, com 9 horas e 37 minutos. Além do trabalho jurisdicional, 14% dos magistrados também realizam atividades docentes – 63% deles informaram possuir pós-graduação.
 
Para o coordenador do Censo, conselheiro Paulo Teixeira, trata-se da primeira pesquisa aberta aos magistrados de todo o país. “Os resultados são alvissareiros, mesmo comparando-os a pesquisas realizadas nos Estados Unidos da América, Inglaterra e Canadá. A diferença é que, nesses países, as pesquisas são periódicas e realizadas há muitos anos. O estudo completo está disponibilizado no portal do CNJ (www.cnj.jus.br/censo) e será disponibilizado também aos tribunais e associações de classe. Esse trabalho gigantesco tende a melhorar a prestação jurisdicional e a identificar a magistratura brasileira”, afirmou.


Pesquisa – O objetivo do estudo foi identificar o perfil da magistratura brasileira, razão pela qual o questionário consultou os magistrados brasileiros sobre informações pessoais e profissionais. Dos 16.812 magistrados em atividade no País, 10.796 responderam ao questionário eletrônico proposto pelo CNJ, o que indica índice de resposta de 64%.

Acesse aqui o Censo do Judiciário.






Barbosa pede abertura de ação penal contra advogado de Genoino


O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, pediu hoje (16) à Procuradoria da República no Distrito Federal  a abertura de uma ação penal contra advogado do ex-deputado José Genoino, Luiz Fernando Pacheco. Barbosa pede que Pacheco seja investigado pelos crimes de desacato, calúnia, difamação e injúria.


Pacheco disse que vai se pronunciar sobre a ação somente após conhecer os detalhes do pedido.  “Falo somente após conhecer formalmente a acusação. Por enquanto fico apenas com a tranquilidade dos profissionais que cumprem com seu dever, disse à Agência Brasil.
Na semana passada, Barbosa mandou seguranças da Corte retirarem Pacheco do plenário.  Barbosa deu a ordem após Pacheco subir à tribuna para pedir que o presidente libere para julgamento o recurso no qual Genoino diz que tem complicações de saúde e precisa voltar a cumprir prisão domiciliar. Na ocasião, os ministros do STF estavam julgando um processo sobre a mudança no tamanho das bancadas na Câmara dos Deputados.
Ao subir à tribuna e interromper o julgamento para cobrar de Barbosa a liberação do recurso, Pacheco foi questionado pelo presidente: “Vossa Excelência vai pautar [a Corte]?”. O advogado respondeu: “Eu não venho pautar. Venho rogar a Vossa Excelência que coloque em pauta, porque há parecer do procurador-geral da República [Rodrigo Janot] favorável à prisão domiciliar deste réu, deste sentenciado. Vossa Excelência, ministro Joaquim Barbosa, deve honrar esta Casa e trazer aos seus pares o exame da matéria”, respondeu Pacheco.

Após dizer duas vezes: “eu agradeço a vossa excelência”, na tentativa de cortar a palavra de Pacheco, Barbosa determinou a retirada do advogado do plenário. “Eu vou pedir à segurança para tirar este homem”, disse Barbosa.
Ao ser abordado pelos seguranças, o advogado protestou: “Isso é abuso de autoridade!”, gritou. Joaquim Barbosa ainda retrucou: “Quem está abusando de autoridade é Vossa Excelência. A República não pertence a Vossa Excelência, nem à sua grei (grupo). Saiba disso.”
No dia 4 deste mês, o procurador Rodrigo Janot enviou ao Supremo parecer favorável ao regime de prisão domiciliar para Genoino. Segundo Janot, o ex-deputado deve voltar a cumprir pena em casa enquanto estiver com a saúde debilitada. Ele foi condenado a quatro anos e oito meses de prisão em regime semiaberto na Ação Penal 470, o processo do mensalão.

Fonte: congressoemfoco.